Publicado por: Alba Bloechliger | 21/08/2009

Misturando óleo com água

Desde que a teoria da evolução se alçou à elevada posição que agora tem no mundo acadêmico, os homens têm procurado encontrar meios de conciliá-la com o ensinamento da Bíblia. Aqueles que insistem em que tal conciliação pode ser conseguida são chamados “teístas evolucionistas”. Eles declaram crer tanto no relato bíblico da criação como na teoria da evolução.
   
Mas pode uma pessoa que aceita a teoria da evolução crer realmente no relato da criação na Bíblia, como é registrado em Gênesis 1-2? Podemos realmente dizer que a Bíblia só diz quem criou este mundo, enquanto a teoria da evolução nos diz como ele o fez? Tais idéias podem parecer nobres na superfície, porém um exame cuidadoso dos dois primeiros capítulos de Gênesis porá nossas mentes girando com os obstáculos que têm que ser dominados para efetuar uma tal reconciliação. Considere, por exemplo, a seguinte lista de contradições entre as afirmações claras da Escritura e as igualmente claras exigências da teoria da evolução:

 . A Bíblia ensina que a terra foi criada antes do sol e das estrelas (Gênesis 1:1,16). A teoria da evolução (em seu pleno contexto científico) ensina que o sol e as estrelas existiam em alguns casos bilhões de anos antes da terra.

. A Bíblia ensina que as plantas estavam crescendo na terra antes que o sol fosse criado (Gênesis 1:11). A teoria da evolução exige que o sol brilhe antes que as plantas cresçam.

. A Bíblia ensina que as plantas terrestres precederam a vida marinha (Gênesis 1:11,20). A teoria da evolução exige que a vida marinha preceda as plantas.

. A Bíblia ensina que as aves foram criadas antes dos insetos (Gênesis 1:20, 24). A teoria da evolução exige que os insetos precedam as aves.

. A Bíblia ensina que as baleias foram criadas antes dos répteis, ou qualquer outro animal terrestre (Gênesis 1:21,24). Mas a teoria da evolução não somente ensina que os répteis vieram antes das baleias, mas que as baleias são de fato animais terrestres que retornaram à água.

. A Bíblia ensina que as aves foram criadas antes dos répteis (Gênesis 1:20, 24). Mas a evolução exige que as aves sejam descendentes diretas dos répteis.

. A Bíblia ensina que o homem foi criado antes que a chuva caísse na terra (Gênesis 2:5-7). A teoria da evolução exige que a chuva caísse na terra durante milhões de anos antes dos homens. (Os termos para as plantas de 2:5 são aparentemente usados para plantas cultivadas, tais como as que cresceram no jardim do Éden e não para a vegetação geral de 1:11).

. A Bíblia ensina que a morte e o sofrimento são o resultado do pecado, e que o pecado entrou no mundo com Adão e Eva (Gênesis 2:17). Mas a teoria da evolução exige que o processo da luta da vida e da morte já estava existindo durante milhões de anos antes do homem, e que os ancestrais mais imediatos do homem foram parte daquela luta.

. Finalmente, a Bíblia ensina que o homem foi feito primeiro, e então a mulher foi feita de sua costela (Gênesis 2:18-22). Este é o golpe decisivo de qualquer tentativa de reconciliar a teoria da evolução com a Bíblia. A evolução exige que os sexos se desenvolvessem juntos.

Deveria, portanto, ficar claro, mesmo para o mais distraído observador, que o relatório bíblico da criação e a teoria da evolução não podem ser melhor misturados do que óleo com água. Este fato tem sido percebido igualmente tanto pelos mais fortes crentes como descrentes durante todos os passados 150 anos.
   
As explicações da Bíblia e da evolução são mutuamente exclusivas porque são produzidas a partir de premissas mutuamente exclusivas. O relato bíblico está baseado na aceitação de que “No princípio Deus …” A teoria da evolução, por outro lado, não é uma teoria que se impôs sobre a mente científica coletiva através do peso cabal da evidência, como muitos cientistas gostariam que crêssemos. Antes, é uma teoria que deve sua própria origem e vida aos homens que rejeitaram a crença em Deus e sentiram-se compelidos a prover uma explicação alternativa para a origem da vida.
   
E sempre que tentativas são feitas para conciliar as duas, é sempre a Bíblia que sai perdendo no final das contas. A teoria da evolução é sempre mantida intacta. E o relato bíblico é que é forçado a ceder território, como se fosse somente uma “descrição poética de verdades espirituais”.
   
Devemos ser prudentes, portanto, em respeitar a descrença destes homens e aceitar a evolução pelo que é — uma explicação sem Deus da origem da vida. Então teremos nossas cabeças adequadamente limpas para perceber a escolha que teremos que fazer. Se Deus for Deus, então sirva-o. E se Baal for Deus, então sirva-o. Mas não vamos a lugar nenhum coxeando entre os dois (1 Reis 18:21).

­por Phil Roberts

Anúncios

Responses

  1. O Homem Foi ACriado Pelo Deus, Porque De Tudo Que Existem Aqui No Planeta-lhe Pertence. O Homem Pode Estudar Muito Mais Nunca Vai Chegar Ao Objectivo Que O Senhor Para Connosco. Porque O Senhor Disse Ao Homem Dou Te Ordem Para Dominar Tudo Que Existe Na Terra. Mas Comparar O Homem Com Deus Acho Que O Homem Está Perder O Medo. Aqui É O Discipulo Soloca.

  2. A afirmação de que a teria da evolução “é uma teoria que deve sua própria origem e vida aos homens que rejeitaram a crença em Deus e sentiram-se compelidos a prover uma explicação alternativa para a origem da vida.” é um disparate completo.
    A teoria da evolução não é incompatível com a existência de Deus: apenas é incompatível com os relatos da Bíblia. Mas a Bíblia, sendo embora um livro inspirado, foi escrita por muita gente e passou por muitas mãos: também tem muito da ignorância e limitações humanas. Nem tudo nela pode ser tomado à letra.
    Deus, para os crentes está na Bíblia, mas de uma forma muito indirecta e por vezes muito deformada, como deformadas são as imagens vistas por um vidro defeituoso e partido em cacos. Todavia, Deus está directa e imediatamente na natureza, pois que nem um só cabelo da nossa cabeça pode cair sem sua permissão. Melhor: da Ordem estabelecida e mantida por Deus na natureza nem o mais pequeno átomo pode afastar-se sem o risco de toda a obra ruir. Porque Deus é perfeito em tudo o que faz e a sua obra só subsiste graças à perfeição com que foi feita e é mantida a cada momento.
    Assim, para explicação da natureza, que “livro” oferece mais crédito: aquele que Deus fez e escreve directamente, em frente aos nosso olhos, no momento em que vivemos; ou uma Bíblia que não é obra directa de Deus, escrita há milénios a partir muitas vezes de relatos orais de guardadores de cabras?
    Deus é perfeito em tudo o que faz. Para Bíblia, a natureza está eivada de corrupção e podridão (não foi isso que Jesus disse existir nos sepulcros brancos a que comparou os hipócritas fariseus?). Mas a ciência mostra-nos que mesmo nos dejectos mais sujos as substancias e os átomos têm a mesma perfeição e obedecem às mesmas exactas leis das substâncias mais nobres que saem das mãos de Deus, como o ouro ou as flores de lírio que superam a magnificência de Salomão. Porém, é a ciência que nos diz isso; não a Bíblia.
    A Bíblia é como um campo onde há pepitas de ouro divino. É preciso, trabalhosamente, saber encontrá-las e separá-las do resto do entulho.

    Como dzia umcélebre cardeal a propósito de Galileu: a Biblia não foi escrita para nos ensinar o funcionamento do céus ( ou seja do universo e da natureza) mas para nos indicar o caminho para lá!.

    A teoria da evolução não é incompatível com a existência de Deus. Muito pelo contrário. Se, como hoje todas as pessoas minimamente cultas e inteligentes aceitam, o universo nasceu num “Big-Bang”, a ciência não nos diz quem o fez nem porquê. Mas nós crentes sabemso que foi Deus.

    Negar a ciência como obra do diabo, exigiria que o homem recusasse todos os bens e comodidades da civilização e ainda andasse vestido com peles de cabra e folhas de figueira, como Adão. É isso que Deus quer?
    A Bíblia é apenas um livro respeitável, escrito por homens, ainda que alguns deles, em alguns momentos, tivessem sido inspirados. Deus não está obrigado a cumprir todos os disparates que lá vêm. Nem nós, criaturas inteligentes, somos obrigados a crer neles.
    Negara a ciência e tomá-la como obra do diabo é admitir que o diabo é mais poderoso e mais inteligente do que Deus. É ofender o Criador.
    Negar a ciência é negar Deus que é o seu autor. Pois que os homens, por mais que descubram e investiguem jamais poderão descobrir o que quer que seja que Deus não tenha criado e previsto. E nunca saberão tudo. Pois que, sendo tantos os campos da ciência, em nenhum o homem pode dizer que já sabe tudo e que o seu conhecimento é definitivo e não apenas aproximado. É assim há séculos, e assim continuará ser, certamente, até ao fim do mundo.
    Negara a ciência como explicação do funcionamento do universo e ao mesmo tempo colher o seus benefícios é uma atitude pouco honesta e como tal ofensiva de Deus que nos quer honestos, inteligentes e defensores da Verdade em todas as circunstâncias. Mesmo contra a Bíblia. Porque Verdade é mais importante do que a Bíblia. Ninguém entra com uma Bíblia no paraíso; mas sem respeitar verdade ninguém lá pode entrar.
    Como Jesus recomendou, é preciso sermos perfeitos como o Pai é perfeito e só podemos sê-lo usando os dons de inteligência que Ele nos deu e cumprindo os seus mandamentos. Entre os quais não negar a verdade; aquilo que a ciência busca.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: