Publicado por: Alba Bloechliger | 11/09/2009

SERVOS ESPECIAIS

Havendo nos salvado, Deus quer nos manter salvos. Paulo podia expressar confiança em “que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Filipenses 1:6). E ainda ele podia alertar:  “Não destruas a obra de Deus por causa da comida” (Romanos 14:20). O trabalho de Deus em uma pessoa pode ser destruído. Quando negligenciamos os meios que Deus providenciou para o reforço dos laços entre nós e ele, seu trabalho em nós se interrompe. Ele deseja  completar seu trabalho e providenciou todos os meios necessários para nos unir mais e mais a ele.

Um destes meios é a irmandade numa congregação de discípulos. Outro consiste nos vários servos especiais com os quais Deus equipou a igreja. Paulo fala de tais ministros em Efésios 4:11-16 S 

“E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo, para que não sejamos mais crianças, levados de um lado para o outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, ajustado e unido pelo auxílio de todas as juntas, cresce e edifica-se a si mesmo em amor, na medida em que cada parte realiza a sua função” (do Novo Testamento, Nova Versão Internacional).

O reino de Cristo não tem senhores, mas apenas um, e este é o próprio Cristo. Cristo proveu sua igreja de servos, não de senhores (Mateus 20:25-28). Mas ele proveu todos os servos necessários para  equipar completamente os santos.

Primeiro ele proveu a igreja de apóstolos e profetas. Estes funcionaram como intermediários da  revelação que agora temos no Novo Testamento. A natureza desses ofícios foi tal que eles serviram ao seu propósito nos primeiros dias do cristianismo. Não há apóstolos e profetas na igreja de hoje. Mas ainda os apóstolos e profetas originais da igreja continuam a funcionar como tais, através da mensagem que eles nos deixaram no Novo Testamento. Assim como Abraão pôde dizer ao homem rico: “Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos” (Lucas 16:29), nós também temos os apóstolos e os profetas e podemos ouvir seu testemunho no Novo Testamento.

Outros destes servos especiais estão presentes nas igrejas de hoje. Temos evangelistas vivos, os mensageiros que trazem as boas novas de Cristo. Temos, também, pastores e mestres. As duas últimas palavras mostram dois lados do mesmo ofício. (Paulo não diz “e alguns, mestres”). Os presbíteros da congregação são tanto pastores ou supervisores como professores da palavra. Naturalmente, Cristo também proveu professores que não são presbíteros.

Todos estes servos especiais foram providos com um propósito:  preparar o povo de Deus para os trabalhos do serviço, ou seja, equipar os santos para o serviço. Em outras palavras, a intenção foi que estes servos especiais façam com que todos os santos sejam ministros. Quando discutimos a distinção entre clérigos e leigos poderíamos nos inclinar a dizer que a igreja não tem clero. Talvez devêssemos dizer que ela não tem leigos, pelo menos não tem de acordo com a intenção divina. Deus quer fazer ministros de todos os seus santos e proveu os meios de fazê-los.

Mas este trabalho de ministério tem um propósito. Ele visa a edificar o corpo de Cristo. Paulo volta a repetir este pensamento  no versículo 16, quando ele fala como o corpo se edifica a si mesmo. Aqui há edificação espiritual, e Deus pretende que ela seja executada através do ministério dos santos, uns para com os  outros.

A meta definitiva deste trabalho está dita no versículo 13: “Até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo” (NVI). Esta meta de unidade se identifica com a maturidade espiritual. As crianças têm que crescer para chegar ao amadurecimento e à unidade do entendimento. Quando esta meta for atingida, não seremos mais como crianças, à mercê de quaisquer doutrinas que apareçam, mas firmes e fortes em Cristo.

Não está claro que os ministros especiais, com os quais a igreja está equipada, são dádivas de Deus para reforçar os laços entre Deus e seu povo?

Este ponto pode ser visto especialmente quando o trabalho dos presbíteros é considerado. Paulo encarrega os presbíteros efésios inclusive do seguinte:

“Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a Igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue. Eu sei que,  depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervetidas para arrastar os discípulos atrás deles” (Atos 20:28-30).

Ainda: Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles;  pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros” (Hebreus 13:17).

Não somente os presbíteros, mas de fato todos os ministros especiais que Deus deu à igreja são parte das providências para nos manter salvos.

Este conceito deveria ter uma influência poderosa sobre o pensamento tanto dos servidores como dos servidos. Se você é um destes servos especiais da igreja, um presbítero, um pregador, um professor, você precisa lembrar-se constantemente que você é uma dádiva de Deus à igreja, com o propósito de equipar os santos para o serviço. Você precisa fazer tudo o que puder para ter alguma coisa a dar à igreja. Não lhe foi dada uma posição especial só para alimentar sua vaidade. Você é uma dádiva de Deus à igreja, para o bem da igreja.

Este conceito deveria afetar também o pensamento dos santos sobre seus ministros especiais. O propósito de Deus para com você não pode ser efetivado se você não se interessa pelo que os ministros especiais podem prover. Poucos anos atrás, algumas pessoas estavam murmurando a respeito da “falta de pregadores”. Meus contatos com igrejas me fizeram duvidar se algumas destas igrejas que estavam pedindo pregadores realmente necessitavam de  pregadores e se fariam o devido uso deles, se os tivessem. Todos os bons professores têm se sentido frustrados quando muitos daqueles que poderiam ser seus estudantes “não davam nada” pelo que eles lhes poderiam dar. Não sou um presbítero, mas sei que presbíteros devem freqüentemente sentir a mesma frustração quando eles têm tanta sabedoria, conselho e instrução para dar a pessoas que não as querem.

Deus providenciou meios abundantes para nos manter salvos. Que qualidade de pessoas somos quando ele oferece-nos uma dádiva e nos queixamos por ter que aceitá-la?


Responses

  1. I don’t usually reply to posts but I will in this case, great info…I will add a backlink and bookmark your site. Keep up the good work!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: